sexta-feira, 5 de outubro de 2007

O Hoje que eu Amo...


Hoje é diferente... As estações estão mudando.
A terra se cobre de uma beleza sobrenatural.
Ouço vozes por toda parte, ouço o vento...
Cinzas e Sonhos de dias melhores...

Hoje é estranho... Chove sem parar.
Sinto na cidade cheiro de terra molhada.
Enquanto cresce o poder do vento..
Sei que ainda existem belos sonhos

Hoje é temporal... As casas estão fechadas.
As ruas finalmente estão desertas e silenciosas.
Não há lampadas nem insônia.
Só me resta sentar e comtemplar.

Hoje é tempestade, medo e esperança...
Hoje não há motivos para matar.
Hoje não há motivos para chorar...
Hoje o mundo parou para observar...

Enquanto a água sobe eu vejo a ruína
De um mundo sem coração cinza-escuro
Transmutado em terror e compaixão.
Mas eu vejo que Hoje... Ah! Hoje o cinza exulta beleza.

Hoje é um sonho... Hoje sou eu... Hoje é delírio...
Hoje morreu.

''A verdadeira escuridão, não é aquela que a noita e a escuridão reveam, mas aquela em que o nosso coração tenta esconder de nós, nossa própria alma...'' (Lord Snowareski V)

6 comentários:

Deborah disse...

Achei mais legítimo começar pelo começo, ou pelo menos o seu verdadeiro começo aqui.
Não sei se é um texto mais alegre, mais contente. Ao menos tive esta perspectiva.
Afinal, o que se deve esperar de quem gosta dos "venenos mais fortes"??
Bem, espero verdadeiramente vê-lo aproveitar um pouco mais os dias. Pq afinal, a vida é feita metade de noites e metade de dias.

Küsse

Jeni disse...

Querido, não li este texto ainda pq minha irmã vai entrar na net agora, porém, li os dois textos mais antigos e deixei meu comentário em cada um...quero sentir gradativamente tuas emoções...
Bjinhus...não sei se vão ficar 2 comentários meus neste mesmo texto, dizendo quase a mesma coisa hehehehe, é que não consegui visualizar o primeiro que postei =p

Bjinhus!!!

Jeni disse...

Oiiiiii!
Renato,como eu faço para "linkar" vc e a Deborah como meus amigos no Blog???
Bjinhus!
P.s: ainda não li este texto...repito que estou começando pelo começo da tua arte!

Jeni disse...

Consegui já...só que os links ficaram numa localização que não gostei e agora eu não sei como modificar =/
bom, depois vc me fala tá?!
Vo mimi!
Bjinhu!
;)

Jeni disse...

Que texto belo e profundo!
Um momento superior do poeta, de observação e reflexão tanto interna quanto externa...em um dia que poderia soar como desespero, nostalgia e total melancolia, o autor adquire, pelo menos no momento em que contempla o mundo nublado e chuvoso a seu redor, uma perspectiva promissora de vida misturada com uma certa dose de "quase melancolia"...
" Hoje é um sonho... Hoje sou eu... Hoje é delírio...
Hoje morreu." - Um dia cheio de beleza...bem dito...um dia, só hoje...qdo o poeta diz que este fascinante dia morreu, deve ser pq é raro ter dias assim na vida dele pq na maioria destes, a dor, a escuridão, a tristeza, o nada, é que os preenche...

Um dos poucos textos (em que a tristeza não predomina) que me foi comovente...deve ter sido um momento único...sei bem como é...
Maravilhoso!!!!

Jeni disse...

P.s.: Genial a sua frase...verdade absoluta!!

 
© Direitos e Esquerdos Reservados à Renato Snowareski Gomes