segunda-feira, 23 de junho de 2008

Abelhas


As luzes dissonantes dessa cidade,
Cegam as estrelas que, inúteis, continuam a brilhar.
Aquecem os homens de caráter,
Para que o frio possa os desviar.

Talvez eu, gauche que sou, não devesse falar...
Mas esses desejos flutuando são só espectros.
De vidas medíocres e tarefas inacabadas.
Talvez eu fosse homem suficiente para ignorar.

Paredes de concreto frio estão em movimento.
Desenham-se "A ascensão da sub-vida decadente"
Para aqueles que são trapos, remendos, ou nada...
Serem enganados pela esperança e seguirem em frente.

Mas nada é mais belo que a marcha dos rotos.
os zumbis que seguem o próprio cheiro de morte.
Que de frases feitas criam ideologias belas e ignorantes.
E, alegremente, seguem a luz das estrelas à própria sorte.

MAS AS PAREDES RESPIRAM!!!!!
E os desejos as alimentam.
Para que os homens de caráter,
Decidam de vez se desviar.

Amor, você não consegue ouvir????
É tudo música...
Nada original, mas bastam os tambores...
Você sabe, manter o ritmo..

tic-tac - pé no chão.
tic-tac - Sobrevivência.
tic-tac - Construir sabedoria ignorante..
tic-tac - Sobreviver.
tic-tac - Levantar marretas.
tic-tac - Sobrevida.
tic-tac - Desejos íntimos.
tic-tac - Lençóis e sonhos.
tic-tac - Pés no chão.

A vida seria perfeita, não fosse a ilusão...
Entretanto condicionar sorrisos falsos é o melhor caminho,
Para conseguir belos sorrisos falsos condicionados.
e... tic-tac... Amar e ser amado...

Mas para que vou me importar se o mundo é cíclico.
Amanhã isso não importa mais.
Porque a praga vai tomar forma e matar lentamente.
A bela face do NUNCA MAIS.

Bem que me falaram que tudo teria que ser nada,
Para poder ser algo consistente
E ao mesmo tempo intocável...
E nos mostrar que todos, ao mesmo tempo, somos e não somos nada.

"O legal da poesia... é que ninguém vai se dar o trabalho de tentar entender. Se entender, vai enlouquecer ou se deprimir. A realidade é uma abelha, basta a você saber que ela inconscientemente transforma pólen em mel..."

(Vamos celebrar a estupidez humana
Vamos celebrar a estupidez do povo
As crianças mortas
De tudo isso - com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção.)
Renato Russo

1 comentários:

Deborah Isoton disse...

O ser humano, típico ser vivo tem a básica função de nascer, crescer, reproduzir-se e morrer, porém teve a dádiva de desenvolver racionalidade, que usou para...

criar abrigos, facilitar alimentação, manter aparência jovem e desejável, viabilizr sobrevivência frente à ameaças a saúde, facilitar transporte, objetos de desejo e prazer e objetos de vícios destrutivos

...auxiliar a nascer, crescer, reproduzir-se e morrer.

Desperdício, sem dúvida. Mas a racionalidade trouxe consigo o egocentrismo, que prega a sobrevivência em alto estilo, que nada mais é do que todo o processo que já descrevi.

Não é poético, nem interpretável. é apenas...humano.

 
© Direitos e Esquerdos Reservados à Renato Snowareski Gomes