domingo, 15 de novembro de 2009

A Sensibilidade



Introdução - Desamor... Desespero...

..."DESEJO"

Bem-vinda ao meu inferno
Sinta-se à vontade.
A vista não é das melhores.
Nem a textura dos meus aposentos.
Entre quieta, respire fundo,
Não me peça pra lhe sorrir,
Nem agradecer a visita.
Mas sirva-se do vinho.
Envenenado pelo ódio que me corrompeu
Disvirtuado pelo amor que me moveu...
A abandonar preceitos e preconceitos,
Enquanto desejava a morte.
(E a desejava com todo o meu coração)
Beba deste vinho,
e deixe seu corpo ser envenenado.
Disvirtuado...
Eu sou tua capa,
Teu casulo.
Teu anjo da morte.

Parte I - Doce como perder o controle...

E o rosto dela cintilou perante a fraca chama da vela. Eu sentia sua respiração falhar, e seu olhar se perder no meu rosto. Havia uma distância considerável entre nós. Que se desfez aos poucos, enquanto eu a olhava com indiferença. Eu não queria me permitir ceder, mas, aos poucos, abri a minha guarda e fixei meus olhos nos dela. Me aproximei e toquei seu rosto. Seu cheiro suave tinha me tornado tão dócil e indefeso quanto um cachorrinho. Aproximei meu rosto do dela, e senti através de seus lábios, sua respiração quente e inconstante.

Os lábios dela se aproximaram, não me permiti negar, senti o calor do seu beijo e brinquei com sua boca. Tinha um gosto suave, cítrico. Percorri seu corpo com minhas mão e a tomei nos braços.

Percorri seu corpo com minha boca, e a despi lentamente, enquanto uma lágrima percorria seu rosto, a tomei nos braços e a deitei sobre meu corpo. Enquanto tocava seus seios com meus lábio, eu sentia cada veia do meu corpo pulsando, enquanto gotas de suor percorriam cada centímetro dos nossos corpos. E entre gemidos contidos, sentia a respiração cada vez mais acelerada. E o tempo perdeu a noção de tempo, até o momento, em que o único som que se ouvia, era a batida de nossos corações.

Parte II - Olhos da alma.

Ele dorme...
Um anjo enfraquecido.
Porque ele só se faz de forte.
Mas ele tem o coração de uma criança...
Inseguro...
Sincero...
Sensível...
Mas carregar o coração de uma criança
É carregar a incerteza...
A dor...
Que nem a poesia pode julgar...

Parte III - A miséria

Histórias de amor são feitas para enganar tolos...
Quem me dera se todas as pessoas soubessem
O valor e a sensibilidade de um beijo sincero...
Eu procuro alguém assim,
Mas sempre falta alguma coisa.

Eu não desisto de procurar.
Enquanto eu não encontro
FODA-SE xD

0 comentários:

 
© Direitos e Esquerdos Reservados à Renato Snowareski Gomes