sexta-feira, 19 de junho de 2009

Quimera


Ela sonhava com o passado,
E se remexia nos lençóis.
Ela queria despertar,
Ela queria ver o sol.

Ela sonhava com alegrias
Ela sabia que sonhava
Conduzia cada passo torto
Cada sorriso mal-formado

E desfalecia em sonho,
Na esperança de eternizá-lo
Seu mundinho perfeito.
Negro como as flores na noite

Sabia porém que estava cega,
E a isso chamou 'insanidade'
E se fechou pequenina entorpecida.
Como uma rosa na tempestade...

domingo, 14 de junho de 2009

O diálogo da flor...


Bem que eu sabia, pequenina.
Que escassas seriam minhas palavras,
Frente a tua poesia.

Bem que eu sabia, flor da noite.
Que cismaria em tentar decifrar
As cores de suas pétalas.

Mas que inúteis são as palavras,
Que não carregam consigo
O dom de ter um coração...

Mas que inúteis são as cores.
Que nada significam,
Frente ao esplendor da escuridão.

Dedicated to Raysa Morais, por ainda ver algum valor nas flores e na poesia... xD

 
© Direitos e Esquerdos Reservados à Renato Snowareski Gomes