quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Lembranças de uma Vida... Silêncio, Tempestade e Pôr-do-sol


Quando o silêncio vinha....
E a luz do dia começava a se dissipar.
Quando os sonhos de uma vida eram destroçados..
E a alegria escorria pelas mãos.

Quem no mundo podia me julgar
Se eu julgava bem melhor
Me esconder e lentamente me matar...
Enquanto o tempo escorria pelas mãos...

Quem no mundo podia criticar...
Minhas palavras frias e sem rima.
Meus passos calmos e indiferentes
Meu jeito estranho de amar




Quando o véu da noite me cobria
E a lua se escondia em nuvem de tormenta
Quando o único sentido da vida era caminhar
E a esperança morria no olhar

Pouco importava se alguém iria me encontrar
Ou se havia a utópica luz no fim do túnel
Ou se o tempo iria me curar...
Ou se meu mundinho egocentrista iria me matar.

Pouco importava a vida.
pouco importava a esperança.
Pouco importava o futuro..
Pouco importava se iria chover forte...



E ainda por cima choveu... Como nunca



Quando a tempestade veio.
E a água escondeu minhas vagas emoções.
Quando a vida perdeu todo o sentido
E esmaguei todo o amor que cultivei.

A luz do túnel era o fogo a me queimar
A noite era o vazio a me sufocar
O silêncio era ensurdecedor.
E o abismo parecia me chamar

Vôo livre...
Queda livre...
Breve alegria...
Livre...




E a tempestade passou...
A vida ou a morte, não quero decifrar...
Treva e luz, não faço questão de diferenciar...
Não faço idéia de tempo, nem de lugar...
Só o bater das asas de uma borboleta...
Que estranhamente conseguiu me acordar...
Que lentamente deu vida ao meu sonhar...
E eu posso chamar suas asas de lar...



"morto para o mundo...???"

 
© Direitos e Esquerdos Reservados à Renato Snowareski Gomes